Dúvidas e respostas sobre a infertilidade masculina

Texto publicado no Portal Papo de Homem.

A gente costuma receber muitas dúvidas e desabafos no e-mail do PapodeHomem. E quando digo muitas, não estou exagerando. As questões mais comuns giram em torno de relacionamentos que estão indo mal, garotos e garotas que querem saber se podem ter engravidado e muita gente querendo ser da maçonaria.

Mas o que mais nos preocupa é que, até pelo nome do site, muita gente acaba caindo aqui de paraquedas e vêm nos perguntar sobre sua virilidade, impotência etc. Da cor do sêmen à dimensão do pau, já lemos de tudo que você possa imaginar.

Diante disso, resolvemos nós mesmos conversar com um especialista para elucidar pelo menos uma questão recorrente: infertilidade masculina. Para isso conversamos com o Dr. Mauro Bibancos, médico andrologista especialista em reprodução humana do Grupo Huntington.

Nossa intenção é pouco a pouco voltar a falar mais sobre a saúde do homem nesse formato de entrevista curta. Mas não precisa consultar ninguém pra saber que essa série não substitui uma consulta ao médico e que você só vai descobrir um problema se for a um consultório e fizer seus exames regularmente. Não seja burro como muitos de nós.

Agora vamos ao que interessa.

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INFERTILIDADE MASCULINA

PapodeHomem: Quais fatores externos podem contribuir para tornar um homem infértil?

Dr. Mauro Bibancos: A lista de fatores é extensa: o uso de determinados medicamentos e hormônios; cirurgias testiculares, prostáticas ou de grande porte na região abdominal; fatores genéticos; obesidade; tratamento contra o câncer que inclui quimo e radioterapia; e atividades cotidianas, ligadas ao estilo de vida, como tabagismo, consumo exagerado de álcool, uso de drogas recreativas e de anabolizantes. Tudo isso atrapalha.

Contudo, a varicocele é a principal das responsáveis e representa 40% dos casos. Geralmente ela não apresenta sintomas, mas pode aparecer em forma de discreta deformidade na bolsa escrotal.

foto

Quais hábitos aumentam as chances de tornar um homem infértil e quais diminuem?

Os hábitos citados acima são todos nocivos: tabagismo, alcoolismo, uso de drogas, anabolizantes, etc. Já para avaliar quais fatores cooperam para a fertilidade, é preciso avaliar cada paciente de forma individual. Por isso, o que orientamos sempre é o acompanhamento periódico da saúde fértil.

Estudos comprovam que, em 40% dos casos, os homens são os responsáveis pela infertilidade de um casal, mas a presença deles nos consultórios ainda é infinitamente menor que a das mulheres. A única maneira de cuidar da sua saúde fértil é receber esse acompanhamento médico periódico para que os eventuais sinais de infertilidade possam ser identificados e contornados.

O corpo do homem emite algum tipo de sinal que nos permita perceber se estamos ficando inférteis? Quais?

Na verdade não. O sinal mais comum deles é a diminuição do volume testicular, mas mesmo sendo o mais comum, ele ocorre apenas em alguns casos, portanto, estar com o tamanho normal não é sinônimo de saúde. Novamente: a única forma efetiva de acompanhar a saúde fértil é com o acompanhamento de um especialista.

Como diagnosticamos que um homem está infértil?

O diagnóstico de infertilidade é feito em consultório. Inicialmente, é realizado o espermograma, exame simples que contabiliza importantes índices do espermatozoide a partir da coleta do sêmen. São levadas em consideração a capacidade de movimentação, a morfologia e a quantidade para que a infertilidade seja constatada. Caso seja necessário, um especialista ainda pode apurar esses dados com um exame físico e outros exames complementares.

Existe medicação ou tratamento para voltar a ser fértil?

O diagnóstico é individualizado e nossa experiência de consultório revela que o tratamento, na imensa maioria das vezes, reverte o cenário e possibilita a paternidade. Cada paciente é tratado de forma individual.

Fertilidade e virilidade estão relacionadas?

Não estão relacionadas e essa é uma pergunta importantíssima. Essa confusão ainda se mostra muito comum e atrapalha a criação do hábito de consultar especialistas.

A virilidade está relacionada à capacidade de ter uma ereção, enquanto a fertilidade é a capacidade de engravidar uma mulher. Há homens viris e férteis, mas também viris e inférteis. Portanto, não: não é porque você consegue manter relações sexuais que sua fertilidade está em dia. A ligação entre um fator e outro é apenas psicológica, emocional.

Como podemos acolher alguém que enfrenta esse problema?

Mais do que acolher, acredito que a palavra seja conscientizar. É importante que todos se perguntem qual foi a última vez que estiveram no consultório de um especialista em medicina reprodutiva. Se você não lembra o nome do seu médico ou nunca foi a um, você deve dar mais atenção à sua saúde.

A infertilidade masculina é um tema de grande importância e tem ganhado relevância à medida que tabus e conceitos pré-estabelecidos têm sido desconstruídos. O fato de você não acompanhar sua saúde fértil é agravado por diversos fatores externos que contribuem para torná-lo infértil.

Se você for diagnosticado com infertilidade, é importante manter a calma e buscar ajuda. Há casos simples em que, por exemplo, os testículos não funcionam por falta de ação hormonal e casos mais complicados. A questão fundamental é manter atenção à sua fertilidade. Agora, se você tem um amigo que se descobriu infértil, a melhor coisa que você pode fazer é não tornar isso um tabu entre vocês. Caso contrário, você estará contribuindo para que mais gente tenha menos chances de reverter o cenário.

Dr. Mauro Bibancos, médico especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington.

Mauro Bibancos

Será que estou preparada para ser mãe?

duvidas-femininashopAcho que uma pergunta que em algum momento toda tentante se faz, mesmo as que não são de primeira viagem, é se vão conseguir dar conta de mais um filho ou se vão conseguir amá-lo da mesma forma.

Eu já passei por essas duas situações e o que eu posso responder é que, se a gente deseja, com certeza está preparada. Infelizmente, para ser mãe não existe receita. Somos a melhor mãe que conseguimos ser e cada mãe é única e ao mesmo tempo perfeita.

Quanto a conseguir amar os filhos da mesma maneira, minha avó sempre me dizia uma coisa, que para mim é pura sabedoria: “quanto mais o amor se divide, mais a felicidade se multiplica”, ou seja, como mãe o nosso amor aumenta cada vez mais. Sempre haverá amor suficiente para todos e você será ainda mais feliz.

Quando estava tentando engravidar na primeira vez, resisti muito para decidir. Queria estar com a carreira firmada, um apartamento melhor, melhor financeiramente, me preparar melhor. Encontrei milhares de motivos que me fizeram adiar a decisão e hoje olhando para trás, percebo que só perdi tempo, mas isso era algo que precisava passar.

Se você familia1está com esse tipo de dúvida, é hora de parar para ter uma conversa sincera com você mesmo e tentar entender porque você está em dúvida. Será que não é medo? São respostas que só você mesma tem, só você mesma vai conseguir entender.

Outro ponto fundamental é conversar com seu marido, afinal essa decisão também é dele. É preciso entender o que ele quer, o que ele espera. A união e a comunicação entre vocês é fundamental para conseguir obter uma resposta consistente. Já falei várias vezes aqui sobre essas questões do relacionamento. Os filhos podem mudar bastante o relacionamento do casal. O que eu repito aqui é que o casal precisa estar junto nisso e se apoiar é fundamental.

Se a maternidade é o desejo de vocês, não fiquem criando muitos obstáculos e demorando demais para decidir. Acho que completamente preparados ninguém nunca está, a maternidade/paternidade é algo que a gente está sempre aprendendo.

Ale-Nunes-150x150.jpg

 

 

 

Alê Nunes, mãe e blogueira

É hora de enfrentar um tratamento de fertilidade, e agora?

pais-bebe-grandeQuando a gente precisa de um tratamento de reprodução assistida acho que mais do que nunca o casal precisa se preparar psicologicamente, afinal quem está preparado para ouvir que vai precisar de ajuda para engravidar? O primeiro impacto é aceitar que será preciso se tratar e não é nada fácil. A gente sonha, planeja e acha que vai engravidar logo e de repente se vê em meio a uma dificuldade. Por mais que se saiba que é algo comum, que pode acontecer, a gente nunca espera que vai acontecer logo com a gente, bom, pelo menos comigo e com meu marido foi assim, parece que tiraram nosso chão.

Passada essa primeira fase, é hora de encarar a realidade e pensar em se preparar para as possibilidades, pois infelizmente mesmo com um tratamento de reprodução assistida não há certeza de sucesso e é quase impossível não se empolgar que na 1a tentativa já teremos nosso bebê. Não que seja preciso nos desmotivarmos por isso, mas é preciso manter o “pé no chão”, ter um certo equilíbrio entre o otimismo e as reais possibilidades.

Quanto a ansiedade, acho que é bem óbvio que quanto mais conseguir controlar é melhor, pois ela não é uma boa companheira e muito menos conselheira nessas horas.

Ter uma boa conversa de casal, saber as expectativas e medos um do outro, se apoiar, acho que é muito importante. Essa questão é um desafio para o casal, não só para um ou para outro. Esse amadurecimento ainda nos ajuda muito para futuramente nos tornarmos pais. Acho que seria como uma “aula preparatória”.

Conversem com o médico para esclarecer todas as dúvidas. Acreditar que a melhor escolha é realizar um tratamento e ter o máximo de informação vai ajudar para que vocês se sintam mais seguros.

Outro ponto fundamental é não se culpar. Não importa se há problemas, agora é hora de respirar fundo e seguir em frente, pois logo ali na frente, um belo futuro nos espera :)

Ale-Nunes-150x150.jpg

 

 

Alê Nunes, mãe e blogueira

Será que tudo que achamos que sabemos sobre fertilidade é correto?

DuvidaQuando falamos de fertilidade as dúvidas são muitas e surgem muitas afirmações que nem sempre são corretas. Muitas coisas passam através de gerações como sendo uma verdade absoluta e nem sempre são. Neste post, tentei listar e explicar algumas das afirmações mais comuns quando se está tentando engravidar.

Mulher que toma muito tempo pílula anticoncepcional demora para engravidar?

O uso de anticoncepcionais por muito tempo não atrapalha a gravidez. O que pode acontecer é que com a interrupção do uso da pílula a mulher pode descobrir um outro problema que antes não era perceptível, como uma disfunção hormonal, por exemplo.

Parei de tomar pílula anticoncepcinal, vou engravidar de primeira?

Nem sempre. É bem comum a gente se encher de expectativas achando que logo na primeira tentativa já vai conseguir. Claro que pode acontecer, mas não é tão comum como se imagina.

Mulheres com ovários policísticos não podem engravidar?

Os ovários policísticos podem dificultar ou impedir à ovulação, mas certamente um tratamento adequado pode ajudá-la. Uma mulher com ovários policísticos pode engravidar, sim. Se este for o seu caso, procure o médico para uma avaliação.

Meu marido já tem filho(s), então ele não tem problema de fertilidade?

Isso é um grande engano, pois a fertilidade do homem é bem sensível e pode ser afetada por vários fatores, como alterações hormonais, hábitos de vida e infecções. Então é muito importante que o homem também se submeta a um espermograma para avaliação da fertilidade, mesmo já tendo filhos.

Cigarro, bebidas alcóolicas, drogas e maus hábitos de vida podem prejudicar a fertilidade?

Sim! Eles podem causar baixa de fertilidade, principalmente no homem, além de trazer riscos a uma gestação.

Relações sexuais nos dias da ovulação resultam sempre em gestação?

Infelizmente não é tão fácil. SEMPRE é uma palavra que não se enquadra muito nessas questões de saúde. Mesmo se o casal tiver relações sexuais todos os dias durante um mês, apenas 30% das mulheres irão engravidar.

Mulher com útero invertido tem mais dificuldade para engravidar?

O útero invertido não dificulta uma gravidez e nem impede sua evolução.

Se eu menstruo regularmente eu ovulo?

Não obrigatoriamente. Você pode menstruar regularmente e não ovular, por isso é importante confirmar a ovulação com exames hormonais.

Posso saber se engravidei pelo exame de ultrassom?

Depende do tempo de gestação. Geralmente após 5 semanas já é possível visualizar alguma coisa no ultrassom. Por isso, em caso de dúvidas, fale com o seu médico.

Se houve um aborto espontâneo ou uma gravidez anembrionária é possível conseguir engravidar normalmente de novo?

Claro, mas é sempre bom primeiro investigar o motivo do aborto ou problema gestacional com o médico antes de tentar de novo, evitando uma nova perda.

Uma amiga tomou um remédio e conseguiu engravidar, eu também vou conseguir?

Essa é a afirmação mais errada e perigosa de todas. Cada tratamento e medicação variam de acordo com o caso de cada paciente. Não é porque alguém usou e funcionou que também vai funcionar com você. Muito cuidado! Grande parte das medicações hormonais, como indutores de ovulação, podem trazer muito mais riscos a sua fertilidade do que resolver o problema. Se você acha que precisa de uma medicação, procure o médico, faça uma avaliação e verifique com ele se pode ser indicado para você.

Bom, minha dica é sempre procurar se informar. Converse com seu médico e tire suas dúvidas. Muitas vezes a gente perde tempo por não fazer isso.

Ale-Nunes-150x150.jpg

 

 

 

Alê Nunes, mãe e blogueira.