Homens também podem ter problemas de fertilidade

Matéria publicada no portal Minha Vida.

Em 40% dos casos o problema está neles, veja como cuidar da saúde fértil.

Qual foi a última vez que você esteve em um consultório de um urologista? Se você não lembra o nome do seu médico ou nunca foi a um deles, é importante dar mais atenção à sua saúde fértil. A infertilidade masculina é um tema de grande importância e tem ganhado relevância à medida que tabus e conceitos pré-estabelecidos têm sido desconstruídos.

Estudos comprovam que, em 40% dos casos, os homens são os responsáveis pela infertilidade de um casal – número apenas pouco menor à representação feminina. Este índice é alarmante, pois as mulheres ainda são maioria nos consultórios. A única maneira de cuidar da sua saúde fértil é receber acompanhamento médico periodicamente, para que os eventuais sinais identificados possam ser contornados.Galeria9-2718

Virilidade x fertilidade

É certo que uma confusão muito comum ainda atrapalha a criação desse hábito. A virilidade está relacionada à capacidade de ter uma ereção, enquanto a fertilidade é a capacidade de engravidar uma mulher. Há homens viris e férteis, mas também viris e inférteis. Portanto, não: não é porque você consegue manter relações sexuais que sua fertilidade está em dia. A ligação entre um fator e outro é apenas psicológica, emocional.

O que afeta a fertilidade do homem?

O fato de você não acompanhar sua saúde fértil é agravado por diversos fatores externos que contribuem para torná-lo infértil. A varicocele é a principal das responsáveis e representa 40% dos casos. Geralmente ela não apresenta sintomas, mas pode aparecer em forma de discreta deformidade na bolsa escrotal.

 - A lista de outros fatores é extensa:

 - Uso de determinados medicamentos e hormônios

- Cirurgias testiculares, prostáticas ou de grande porte na região abdominal

- Fatores genéticos

- Obesidade

- Tratamento contra o câncer, que inclui quimioterapia e radioterapia

- Atividades cotidianas ligadas ao estilo de vida, como tabagismo, consumo exagerado de álcool, uso de drogas recreativas e de anabolizantes.

Como saber se sou fértil?

Nosso corpo não emite muitos sinais que permitam percebermos se estamos ficando inférteis ? o mais comum deles, que ocorre apenas em alguns casos, é a diminuição do volume testicular. Portanto, o diagnóstico de infertilidade é feito em consultório.

Inicialmente, é realizado o espermograma, exame simples que contabiliza importantes índices do espermatozoide a partir da coleta do sêmen. São levadas em consideração a capacidade de movimentação, a morfologia e o número de espermatozoides para que a infertilidade seja constatada. Um especialista apurará esses dados, com um exame físico e outros exames complementares, caso seja necessário.

Se você for diagnosticado com infertilidade, é importante manter a calma e buscar ajuda. Há casos simples, em que os testículos não funcionam por falta de ação hormonal, por exemplo, e quadros mais complicados. O diagnóstico é individualizado e nossa experiência de consultório revela que o tratamento, na imensa maioria das vezes, reverte o cenário, possibilitando a paternidade. A questão fundamental é manter atenção à sua fertilidade. Você tem mantido atenção à sua?

Dr. Mauro Bibancos, médico especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington.

Mauro Bibancos

Dúvidas e respostas sobre a infertilidade masculina

Texto publicado no Portal Papo de Homem.

A gente costuma receber muitas dúvidas e desabafos no e-mail do PapodeHomem. E quando digo muitas, não estou exagerando. As questões mais comuns giram em torno de relacionamentos que estão indo mal, garotos e garotas que querem saber se podem ter engravidado e muita gente querendo ser da maçonaria.

Mas o que mais nos preocupa é que, até pelo nome do site, muita gente acaba caindo aqui de paraquedas e vêm nos perguntar sobre sua virilidade, impotência etc. Da cor do sêmen à dimensão do pau, já lemos de tudo que você possa imaginar.

Diante disso, resolvemos nós mesmos conversar com um especialista para elucidar pelo menos uma questão recorrente: infertilidade masculina. Para isso conversamos com o Dr. Mauro Bibancos, médico andrologista especialista em reprodução humana do Grupo Huntington.

Nossa intenção é pouco a pouco voltar a falar mais sobre a saúde do homem nesse formato de entrevista curta. Mas não precisa consultar ninguém pra saber que essa série não substitui uma consulta ao médico e que você só vai descobrir um problema se for a um consultório e fizer seus exames regularmente. Não seja burro como muitos de nós.

Agora vamos ao que interessa.

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INFERTILIDADE MASCULINA

PapodeHomem: Quais fatores externos podem contribuir para tornar um homem infértil?

Dr. Mauro Bibancos: A lista de fatores é extensa: o uso de determinados medicamentos e hormônios; cirurgias testiculares, prostáticas ou de grande porte na região abdominal; fatores genéticos; obesidade; tratamento contra o câncer que inclui quimo e radioterapia; e atividades cotidianas, ligadas ao estilo de vida, como tabagismo, consumo exagerado de álcool, uso de drogas recreativas e de anabolizantes. Tudo isso atrapalha.

Contudo, a varicocele é a principal das responsáveis e representa 40% dos casos. Geralmente ela não apresenta sintomas, mas pode aparecer em forma de discreta deformidade na bolsa escrotal.

foto

Quais hábitos aumentam as chances de tornar um homem infértil e quais diminuem?

Os hábitos citados acima são todos nocivos: tabagismo, alcoolismo, uso de drogas, anabolizantes, etc. Já para avaliar quais fatores cooperam para a fertilidade, é preciso avaliar cada paciente de forma individual. Por isso, o que orientamos sempre é o acompanhamento periódico da saúde fértil.

Estudos comprovam que, em 40% dos casos, os homens são os responsáveis pela infertilidade de um casal, mas a presença deles nos consultórios ainda é infinitamente menor que a das mulheres. A única maneira de cuidar da sua saúde fértil é receber esse acompanhamento médico periódico para que os eventuais sinais de infertilidade possam ser identificados e contornados.

O corpo do homem emite algum tipo de sinal que nos permita perceber se estamos ficando inférteis? Quais?

Na verdade não. O sinal mais comum deles é a diminuição do volume testicular, mas mesmo sendo o mais comum, ele ocorre apenas em alguns casos, portanto, estar com o tamanho normal não é sinônimo de saúde. Novamente: a única forma efetiva de acompanhar a saúde fértil é com o acompanhamento de um especialista.

Como diagnosticamos que um homem está infértil?

O diagnóstico de infertilidade é feito em consultório. Inicialmente, é realizado o espermograma, exame simples que contabiliza importantes índices do espermatozoide a partir da coleta do sêmen. São levadas em consideração a capacidade de movimentação, a morfologia e a quantidade para que a infertilidade seja constatada. Caso seja necessário, um especialista ainda pode apurar esses dados com um exame físico e outros exames complementares.

Existe medicação ou tratamento para voltar a ser fértil?

O diagnóstico é individualizado e nossa experiência de consultório revela que o tratamento, na imensa maioria das vezes, reverte o cenário e possibilita a paternidade. Cada paciente é tratado de forma individual.

Fertilidade e virilidade estão relacionadas?

Não estão relacionadas e essa é uma pergunta importantíssima. Essa confusão ainda se mostra muito comum e atrapalha a criação do hábito de consultar especialistas.

A virilidade está relacionada à capacidade de ter uma ereção, enquanto a fertilidade é a capacidade de engravidar uma mulher. Há homens viris e férteis, mas também viris e inférteis. Portanto, não: não é porque você consegue manter relações sexuais que sua fertilidade está em dia. A ligação entre um fator e outro é apenas psicológica, emocional.

Como podemos acolher alguém que enfrenta esse problema?

Mais do que acolher, acredito que a palavra seja conscientizar. É importante que todos se perguntem qual foi a última vez que estiveram no consultório de um especialista em medicina reprodutiva. Se você não lembra o nome do seu médico ou nunca foi a um, você deve dar mais atenção à sua saúde.

A infertilidade masculina é um tema de grande importância e tem ganhado relevância à medida que tabus e conceitos pré-estabelecidos têm sido desconstruídos. O fato de você não acompanhar sua saúde fértil é agravado por diversos fatores externos que contribuem para torná-lo infértil.

Se você for diagnosticado com infertilidade, é importante manter a calma e buscar ajuda. Há casos simples em que, por exemplo, os testículos não funcionam por falta de ação hormonal e casos mais complicados. A questão fundamental é manter atenção à sua fertilidade. Agora, se você tem um amigo que se descobriu infértil, a melhor coisa que você pode fazer é não tornar isso um tabu entre vocês. Caso contrário, você estará contribuindo para que mais gente tenha menos chances de reverter o cenário.

Dr. Mauro Bibancos, médico especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington.

Mauro Bibancos

Uso de anabolizantes impede a produção de células e pode afetar a fertilidade

Texto publicado no Portal Bebe.com 

A busca pelo corpo perfeito, quando conciliada ao uso de esteroides anabolizantes (ou as famosas “bombas”), não é nada benéfica quando falamos de maternidade. Utilizar hormônios para acelerar o ganho de massa muscular pode causar infertilidade – parcial ou total – tanto em homens quanto em mulheres. Entre os efeitos comuns estão a diminuição dos testículos e a interferência no crescimento do endométrio, dificultando a fixação do embrião na parede do útero e provocando o aborto.

anabolizantes-impacto-fertilidade

A testosterona sintética, por exemplo, ocasiona o bloqueio da produção de espermatozoides e a interrupção da menstruação. Originalmente, ela é utilizada em doses adequadas – e com indicações específicas – para corrigir algumas doenças e deficiências hormonais. Seu uso indevido pode levar à insuficiência hepática, ao câncer de fígado e, ainda, afetar a fertilidade. Isso acontece pois quando há uma taxa de testosterona muito acima do normal presente no organismo, ela inibe a produção de FSH, hormônio responsável pela maturação das células reprodutivas. No caso dos homens, que possuem naturalmente mais testosterona, doses extras - mesmo que em pouca quantidade - podem debilitar as funções reprodutoras parcialmente, diminuindo as chances de ter filhos.

Porém, com a suspensão da droga, o corpo masculino pode voltar a produzir os espermatozoides e o feminino pode regularizar a menstruação. Geralmente, o organismo volta ao normal após três meses sem a substância. O problema é que muitas vezes o homem já tem uma baixa contagem de gametas e a mulher está em uma idade de declínio fértil, em que a quantidade e a qualidade de óvulos já não possibilitam uma gravidez fácil. Se o casal continuar tentando e não conseguir engravidar, é importante procurar um especialista para verificar o que está ocorrendo. É possível até que o insucesso na gravidez esteja ligado a outros fatores que causam a infertilidade – e não diretamente o anabolizante.

A mensagem-chave é: se o casal tem expectativas de engravidar e um dos dois (ou ambos) toma anabolizantes, é aconselhável que a utilização seja interrompida imediatamente. Caso o quadro não se reverta, procure sempre um especialista.

Dr. Maurício Chehin, médico especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington.

dr-mauricio-barbour-chehin2

Idade do homem já está entre as causas de infertilidade

Texto publicado no Portal Brasil Post em 09/09/2015. Clique aqui e acesse a matéria no portal.

Para a maioria das pessoas, a infertilidade segue sendo um problema feminino, mas o cenário atual é totalmente diferente. O tema ainda é um tabu entre os casais que buscam tratamento para engravidar, mas a infertilidade masculina já tem sido encarada com mais facilidade pela sociedade.

n-INFERTILITY-large570

É muito comum recebermos um casal no consultório por conta da preocupação da mulher. A infertilidade feminina é bastante comentada, enquanto a dos homens é sempre deixada de lado.

Hoje, a infertilidade afeta entre 10% a 20% dos casais em idade reprodutiva. Em 20% dos casos a infertilidade é causada por homem e mulher, simultaneamente, em 20% a 30% a infertilidade é masculina e de 30 a 40% dos casos a causa de infertilidade está na mulher.

Portanto a idade do homem pode, sim, interferir nos índices de fertilidade. De acordo com o estudo apresentado no 1º Congresso Internacional Huntington de Reprodução Humana, pelo Dr. Andrea Garolla, da Universidade de Padova, na Itália, os problemas podem aparecer principalmente após os 50 anos.

A varicocele é a principal causa de infertilidade masculina, seguida da azoospermia e de problemas genéticos. Os responsáveis por isso são o alto nível de aneuploidias (material genético do espermatozoide alterado), a fragmentação do DNA, questões epigenéticas (fatores do ambiente que podem alterar quimicamente a função dos genes responsáveis pela produção de espermatozoides) e o encurtamento dos telômeros, que danificam diretamente a estrutura dos cromossomos, prejudicando a qualidade e a motilidade dos espermatozoides.

O espermograma, que é o principal exame da análise seminal, pode diagnosticar possíveis problemas relacionados à fertilidade, mas nem sempre refletem as alterações relacionadas à idade do futuro pai.

Os casais estão buscando uma gravidez tardia e isto, consequentemente interfere não somente na mulher, mas agora também comprovadamente nos homens. O estilo de vida que estes casais levam é o fator mais importante no retardo da gravidez. Os casais trabalham muito e possuem outras prioridades. Viagens, esportes e reuniões, por exemplo, são atribuições que se estabelecem na vida das pessoas e definem uma prioridade nem sempre consciente.

Para as mulheres o fator idade já não é mais mistério. Todas sabem, ou pelo menos já ouviram falar, que após os 35 anos as taxas de gravidez diminuem muito e, querendo ou não, elas começam uma corrida contra o tempo. Já para os homens, pouco se fala em congelar o sêmen para o futuro, por exemplo. A idéia de adiar a paternidade pode e deve fazer parte de um planejamento de vida.

Dra. Michele Panzan, médica especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington.

Dra. Michele Quaranta Panzan